Não é associado? Associe-se
Recuperar minha senha

Doença Diverticular do Cólon

Publicado em: 27/06/2017

Qual a diferença entre divertículo, diverticulose, diverticulite e Doença Diverticular do Cólon?

Divertículos são herniações da parede do tubo digestivo e podem ocorrer em toda extensão do trato gastrointestinal, porém são mais frequentes no cólon. Podem ser congênitos ou adquiridos ao longo da vida. Os primeiros são raros, já os adquiridos são mais frequentes e atingem apenas a camada mais interna da parede intestinal.

O termo diverticulose refere-se à presença de divertículos sem sintomas no cólon, enquanto diverticulite indica inflamação do divertículo e, geralmente, é acompanhada de sintomas como dor e febre.

Hoje há uma tendência universal em empregar a denominação Doença Diverticular do Cólon (DDC), já que algumas vezes é difícil diferenciar diverticulose de diverticulite. 

O que causa divertículos?

Até hoje não conhecemos o mecanismo exato de formação do divertículo. Acredita-se que sua presença possa constituir um processo natural do envelhecimento, ou seja, muitas pessoas adquirem essa formação ao longo da vida. Outros dizem que são consequentes a distúrbios da musculatura do cólon, da função motora do cólon e de uma dieta pobre em fibras. 

As contrações musculares do intestino grosso forçam o interior da parede intestinal que acabam se dilatando ao longo do percurso, podendo formar esses divertículos onde se acumularão fezes e bactérias. 

Com relação à dieta pobre em fibras, ela produz um bolo fecal pouco volumoso, retendo menos água, alterando o trânsito colônico e aumentando a pressão intralumial, facilitando assim essas herniações.

Quais os sintomas mais comuns?

• A simples presença do divertículo ao longo do cólon pode não ocasionar sintomas. A grande maioria dos pacientes permanecerá assintomática por toda vida. 

• Nos pacientes sem complicações, o principal sintoma é dor abdominal em cólica do lado esquerdo, podendo ser acompanhada de flatulências (gases), inchaço abdominal, constipação intestinal ou diarreia.

• Caso haja alguma complicação, é comum o paciente apresentar anorexia, náuseas e vômitos. Pode ser acompanhada de perfuração que ocasionará uma infecção da cavidade abdominal (peritonite). 

• Outro sintoma é a obstrução intestinal, por redução do diâmetro do intestino. 

Quais as possíveis complicações?

Além da infecção na cavidade abdominal (peritonite) que já foi citada, uma complicação bastante grave é a hemorragia. Ela ocorre devido ao enfraquecimento das paredes dos vasos sanguíneos próximos ao divertículo. 

Os primeiros sinais da hemorragia causada pela diverticulite são fraqueza e evacuação com sangue vivo.

Qual o tratamento?

A manutenção de evacuações regulares e sem esforço com uso de fibras suplementares quando necessário é sempre desejado. Em casos selecionados, o uso de medicamentos que controlam a inflamação do cólon ou antibióticos por períodos prolongados. 

O tratamento da Doença Diverticular do Cólon pode ser cirúrgico para aqueles pacientes que desenvolvem complicações como diverticulite perfurada, diverticulite recorrente ou sangramento. 

O que fazer para evitar Doença Diverticular do Cólon?

Primariamente, é imprescindível que cada indivíduo tenha uma dieta equilibrada, principalmente rica em fibras. Dessa forma, há formação de um bolo fecal mais volumoso, rico em água e que facilita a sua saída por meio da defecação. 

Cientistas acreditam que o sedentarismo, obesidade, constipação intestinal e fumo possam estar relacionados com o surgimento de divertículos e que, ao se adotar hábitos de vida saudáveis, de alguma forma esta doença  pode ser evitada.

Carnes vermelhas e ingestão de álcool estão associada a uma maior frequência de episódios de diverticulite.

É importante ressaltar que apenas o profissional de saúde está capacitado para realizar o diagnóstico e indicar o melhor tratamento. Em casos de dúvidas, procure sempre seu médico.